Foi criado um novo “registro de exportação de carnes”

O governo argentino finalmente cumpriu o que já vinha ameaçando há algum tempo: decretou intervenção estatal no mercado restringiu a exportação de carnes dos produtores locais. Através do Ministério do Comércio Interno da Argentina, uma série de medidas foram lançadas para a cadeia pecuária visando controlar o produto tanto nos mercados doméstico como internacional.

Segundo o comunicado governista, foi criado um novo “registro de exportação de carnes”, que será controlado pela intervenção do Secretário de Comércio Interno do Ministério do Desenvolvimento Produtivo. Segundo a administração pública, a medida visa “melhorar o acompanhamento das exportações de carnes e o abastecimento do mercado interno”. 

“O Ministério da Agricultura, Pecuária e Pesca estabelece maiores requisitos para a exportação de carne bovina de forma a gerar mais transparência e rastreabilidade e evitar práticas ilegais e especulativas”, justificam os burocratas. Eles adiantam que vão “atualizar imediatamente” os “preços de referência de exportação para evitar o subfaturamento das exportações”.

Além disso, um novo esquema operacional de comercialização interna de carne bovina também será avançado, estabelecendo a obrigatoriedade de corte. “Esta medida protege os trabalhadores do setor, melhora o funcionamento da produção e o acesso dos consumidores aos diferentes cortes, estimulando um funcionamento mais eficiente da cadeia da carne. Essa decisão vem acompanhada de novas medidas para uma chegada mais eficiente em áreas com menos recursos”, conclui o governo Fernandez.