Bebidas são levadas diariamente em hospitais e postos de saúde e nutricionista fala que quer aumentar a produção diária de 35 litros, porém, depende de doações.

As bebidas geladas, ricas em nutrientes e vitaminas, já foram apelidadas de “sucos da imunidade”. E desde que passou a entregar gratuitamente em hospitais e postos de saúde de Campo Grande, o WhatsApp da nutricionista Rosangela Cerchi dos Santos, de 43 anos, não para. Ao ver as mensagens, na maioria das vezes, sempre o mesmo o pedido: a receita dos sucos verde, amarelo e vermelho.

“Eu sempre expliquei os benefícios e chamei os sucos de fitoterápicos, mas, estão os chamando de sucos da imunidade. Ele não combate o novo coronavírus, mas, fortalece muito o sistema imunológico e a ajuda a pessoa a ter uma melhor reação, caso ela tenha contato com o vírus e aí pode ser que nem desenvolva a doença”, afirmou ao G1 a nutricionista.

Meses antes, Cerchi conta que atuava como nutricionista em grupos de combate a obesidade infantil, na Secretaria Municipal de Saúde (Sesau). Atualmente, foi realocada e faz atendimentos em geral. “Antes da pandemia eu tinha esse trabalho específicos, porém, as consultas foram desmarcadas e agora a minha demanda é espontânea. Nos outros períodos, faço os sucos para distribuir nas unidades de saúde”, comentou Cerchi.

Segundo a nutricionista, as sementes germinadas são “bem divulgadas na comunidade nutricional e científica, principalmente por conta do potencial fitoterápico”. “Nós temos o grande enfoque na moringa oleifera que, por incrível que pareça, é facilmente encontrado com raizeiros e no mercadão. Só que é necessário cuidado no uso e existem casos que podemos substituí-la por couve, no caso do suco verde, por exemplo. Só que a semente germinada realmente é mais potente”, explicou.

No total, já são 12 dias em que os galões estão sendo entregues para profissionais da saúde, totalizando 35 litros diários levados para as Unidades de Pronto Atendimento (UPA’s) como da Vila Almeida, Nova Balhia, além de outros bairros.

“O suco é entregue sem custo e por isso as doações são tão importantes. Eu peço nas redes sociais e quem se solidariza sabe da importância. Nós falamos dos profissionais da saúde, mas, quem atua no administrativo e no setor de limpeza do hospital também toma”, comentou.

Um dos sucos feitos pela nutricionista e que é entregue em unidades de saúde  — Foto: Rosangela Cerchi/Arquivo Pessoal

Um dos sucos feitos pela nutricionista e que é entregue em unidades de saúde — Foto: Rosangela Cerchi/Arquivo Pessoal

Na rotina, a nutricionista fala que acorda às 4h30 e, duas horas depois, já está fazendo o roteiro de entrega da bebida. “Eu tomo o meu café, um banho e aí já começo a higienizar a bancada onde ficam as frutas. No dia anterior, eu também as deixo prontas e higienizadas. Desde o início, já orientei as pessoas a não deixarem a bebida armazenada e sim a beberem de estômago vazio e se alimentarem somente após 40 minutos. Só assim a bebida terá o efeito potencializado”, avaliou.

No caso de quem se interessar em fazer doações, ela fala que aceita qualquer fruta. “O sabor é sempre puxado para o cítrico porque usa laranja, limão, abacaxi e eventualmente maça. Em seguida vem a couve, hortelã, moringa oleiferas. Na outra semana, quando eu intercalo com o suco amarelo e o outro o vermelho, vem a beterraba e a cenoura, além das sementes, como a queridinha que é a girassol e depois quinoa, amaranto, chia, entre outros “, disse.

Fonte: G1 MS